Aqui na Abraço de Mãe estamos sempre enfatizando a importância de a mãe recém-parida poder se desconectar das tarefas mundanas para se dedicar a si e ao seu bebê, à sua conexão com o novo que surge na sua vida. Pensando nisso, resolvemos fazer uma lista de tarefas que, caso sejam suas normalmente, você deve pensar em delegar no seu puerpério. Imprima essa lista e pense nas pessoas que podem executar essas tarefas para você, e por você. Depois, ainda na gravidez, converse com as pessoas escolhidas, certamente gente em quem você confia e com quem tem intimidade suficiente para ter esse tipo de conversa. Pode parecer besteira agora, mas não ter que se preocupar com esse tipo de coisa fará toda a diferença na sua travessia puerperal. Acredite!

Eis as tarefas:

– limpar a casa: vale considerar até contratar alguém uma vez por semana pra fazer uma boa limpeza na casa (se você já não tem quem faça) durante as primeiras semanas de vida do seu bebê.

– lavar roupa: bebê recém-nascido e começo de amamentação podem gerar muita roupa pra lavar. Mas esta função não tem que ser sua.

– cozinhar ou providenciar as refeições: você tem aqueles amigos que adoram cozinhar? Fale com eles! Também ajuda muito congelar comida pronta no final da gravidez e manter uma listinha de telefones de restaurantes que entregam comida em casa. Tudo para que você não tenha que se preocupar com o que vai comer.

– lavar a louça ou colocá-la na máquina: permita-se acumular louça na pia, se for o caso, para outra pessoa cuidar da louça para você.

– fazer compras: faça uma lista de alimentos que você gostaria de ter em casa, das frutas e verduras de que você gosta (que seguramente terão que ser compradas com mais frequência), dos seus lanchinhos saudáveis, e entregue àquela pessoa que você sabe que fará isso por você. Ajuda muito também fazer uma boa compra de comida, especialmente alimentos não perecíveis, antes de o bebê nascer.

– levar o filho mais velho nas suas atividades: peça ajuda para os vizinhos ou para mães de colegas da escola (e de outras atividades extras, se houver). Um planejamento é importante, até pra não tirar o filho mais velho da sua rotina nesse momento tão especial.

– passear com o cachorro: sempre tem um amigo que ama animais e que vai até curtir sair pra passear com seu bichinho.

– preocupar-se com as visitas e preparar um lanchinho pra elas: deixe claro ainda na gravidez que você não sabe quando vai querer receber visitas e que será muito sincera em relação a isso. Se você não fica à vontade, combine com seu parceiro, sua mãe, seu pai, enfim, alguém que você vai ver com frequência nessas primeiras semanas para falar por você.

É de praxe no Brasil servir um cafezinho com biscoitos (ou bolo ou tortas…) para as pessoas que vêm conhecer o mais novo membro da família. Estoque biscoitinhos em casa (eles podem ser congelados) e peça sem constrangimento para a visita preparar o café ou chá se você estiver muito cansada para fazê-lo. Outra opção é combinar com quem estiver em casa no momento além de você.

– preocupar-se com as contas pra pagar e suas datas de vencimento: se essa tarefa normalmente é sua, já combine com seu parceiro (por exemplo) que isso ficará a cargo dele por alguns meses. Se for para a sua tranquilidade, passe as datas usuais de vencimento para o novo responsável e relaxe!

A gente bate bastante nessa tecla da importância da rede de apoio da mãe para que ela não precise se preocupar com seus afazeres de normalmente. O puerpério é intenso, ao mesmo tempo especial e turbulento. Preparar-se naquilo que é possível de preparação ajuda a lidar com a parte “impreparável”. E nós precisamos falar sobre isso!

Para saber mais dicas, baixe nosso e-book gratuitamente aqui.

4 comentários

    1. Se você não sentir desconforto nenhum pode varrer um espaço pequeno. Mas eu adoraria que houvesse alguém pra fazer isso por você e que você não tivesse que se preocupar com a limpeza da casa! Espero que você tenha pessoas de apoio! Um abraço

  1. Tinha minha segunda filha há 25 dias. Sempre fui uma boa pessoa pra todos que estão em minha volta, sempre prestativa e se esforçando o máximo para agradar a minha mãe, marido, sogra… enfim, só quero desabafar o quanto mim sinto magoada com todos, durante meu “resguardo “ não teve um sequer que se importou comigo, minha mãe cuidou da minha por 3 dias, três dias foi o que durou meu resguardo. Depois desses três dias tive que mim virar com meu bebê, minha filha de quatro anos e com todos os afazeres de casa. Meu marido machista, acomodado, mandão. Minha mãe é daquelas que sempre coloca o álcool em primeiro lugar, e minha sogrinha se diz uma serva de Deus, mas com o nascimento da primeira netinha, não moveu um dedo pra mim ajudar. Mim sentir muito triste e insignificante. Mas o amor que sinto por minhas filhas tem mim feito superar toda magoa, até porque Deus está sempre presente na minha vida.
    Mamãe da Heloyse com menos de um mês e da Ana Júlia que está com aninhos ❤️❤️❤️

    1. Querida, sinto tanto que você tenha passado por isso! Mãe nenhuma deveria se ver nesta situação! Lembre-se que você merece toda a ajuda possível e , se der, peça ajuda mesmo! A prioridade é vc e suas filhas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *