Se você acompanha nosso trabalho há algum tempo, já está consciente de que o pós-parto é um período de grandes desafios e intensas emoções. Com o nascimento do bebê, nasce uma mãe e também uma nova família. E essa nova configuração familiar vai exigir adaptação de cada membro: o pai, a mãe, o irmão mais velho…

Especialmente com a chegada do primeiro filho, a relação do casal muda bastante. Se antes o tempo livre de um era dedicado ao outro (entre outras coisas), agora vai todo praticamente para o bebê. Tempo livre não acontece mais naturalmente; temos que aprender a criá-lo (e isso pode demorar um pouco). Se antes o papel de cada um em casa e na relação estava bem definido, agora é hora de aprender as novas demandas do dia a dia e deixar a experiência redefinir o lugar e o espaço de cada um.

[Veja também: 11 dicas para os pais no pós-parto]

 

Pensando nisso, preparamos umas dicas que podem contribuir para que essa reinvenção da relação do casal aconteça de forma mais harmoniosa e plena.

#1 COMUNICAÇÃO. Assim mesmo, em caixa alta. Comunicação é tudo. Conversem sobre as necessidades de cada um. Falem do que vocês precisam, sem ficar esperando que o outro adivinhe (mesmo que pareça óbvio para você). Peça pontualmente a ajuda de que você necessita, de maneira clara. Aproveitem o tempo da gravidez pra praticarem isso. A consciência de que a relação vai mudar motiva uma melhora da comunicação entre o casal, e isso pode ficar pra vida toda!

#2 Reconheça as necessidades do seu parceiro, mesmo que elas não possam ser atendidas no momento. Lembre-se que seu parceiro também está passando por profundas mudanças de vida; ter isso em mente e conseguir em algum momento demonstrar essa empatia (mesmo em meio ao turbilhão das primeiras semanas) fará com que ele não se sinta a “última bolacha do pacote”. Saber que alguém entende que também é desafiador para ele dá ânimo para seguir na jornada puerperal com tranquilidade e confiança. Assim, você terá um parceiro fazendo o seu melhor, o que refletirá no melhor para o núcleo familiar.

#3 Permita que seu parceiro cuide do bebê do jeito dele! Sim, é um desafio e tanto, mas ele também está aprendendo esta nova função e merece elogios mais do que críticas. Assim como para a puérpera um elogio pode mudar a vibração energética e deixar tudo mais leve, para o pai de primeira viagem isso também ocorre. Você pode se mostrar disponível para tirar dúvidas que ele tenha, ou para que vocês dois busquem juntos as respostas (pois muitas delas você também não terá). Mas dê espaço para seu companheiro se encontrar na sua paternidade. Eu sei que isso pode ser dificílimo, no entanto vale fazer o esforço (pra mim, por exemplo, parecia impossível não me intrometer no seu modo de fazer as coisas, mas minha intromissão acabava piorando tudo; então tive que aprender a ceder esse espaço). Os resultados são positivos para toda a família!

#4 Nas primeiras semanas e meses do pós-parto, tentem não levar as coisas para o lado pessoal! Todos estarão à flor da pele. Lembrem-se que a situação é nova e desafiadora para todos.

#5 Estabeleçam rotinas simples que ajudarão vocês a se sentirem mais seguros e confortáveis. Não estamos falando de uma rotina determinada do começo ao fim do dia, até porque isso é impossível. Mas estabeleçam algum pequeno ritual: pode ser uma xícara de chá juntos assim que o bebê dormir em algum momento do dia em que ambos estejam em casa, pode ser o horário de banho do bebê que certos casais gostam de compartilhar, pode ser deixar pai e bebê sozinhos e a mãe sair para uma caminhadinha (ou qualquer outra coisa que a mãe queira fazer por si mesma) quando o parceiro chega em casa (caso ele passe o dia fora). Claro que a rotina se desenvolverá naturalmente mais cedo ou mais tarde, mas tentar ter algum tipo de prática diária o quanto antes ajuda a amenizar o estresse – previsibilidade e estabilidade num período que tende a ser super instável trazem conforto e segurança, vale enfatizar!

#6 Digam um ao outro com frequência como estão verdadeiramente se sentindo. Essa é outra coisa que pode ser praticada já desde a gravidez. E com essa última dica voltamos à questão da comunicação. Jamais menosprezem o sentimento alheio. Tenham em mente que os sentimentos do puerpério são todos os sentimentos do mundo, ora tudo junto, ora um (ou uns) de cada vez. Então, toda emoção é legítima!

Bom, esse processo de recriação da relação é contínuo… acho que dura pra sempre. Mas em nenhum outro momento de vida ele é tão intenso quanto no pós-parto. E ler essas dicas juntos, por exemplo, já vai deixá-los mais preparados para o que está por vir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *