Não há coisa mais normal do que o ciúme do irmão mais velho quando aquele bebezinho chega e demanda a atenção da mãe quase o tempo todo! Nunca ouvi falar de um primogênito que tenha enfrentado a chegada do irmãozinho sem alguma mudança de comportamento. Penso que não é difícil colocar-se no lugar do primeiro filho, que teve durante alguns anos atenção exclusiva dos pais, e entender que dá medo sim a perda de um pouco do espaço, sobretudo porque geralmente eles nem tem idade suficiente para já terem ferramentas emocionais para lidar com os sentimentos que vêm junto com essa situação.

Especialmente as crianças menores que se tornam irmãos mais velhos podem ter as mais diversas reações: alguns voltam a ser comportar como bebês, outros regridem temporariamente em algum aspecto do desenvolvimento, outros ainda ficam bem desobedientes para chamarem a atenção… Com o tempo, eles entendem que não perderam seu espaço nem o amor de seus pais.

Entendendo o ciúme do irmão mais velho

Pra gente entender melhor o porquê de tudo isso, eu gosto de citar o Dr. Benjamin Spock, pediatra famoso nos anos de 1970, cujo livro minha mãe me repassou na minha segunda gravidez. Ele diz que é fácil se colocar no lugar do primeiro filho. É como se nosso marido chegasse pra gente e nos dissesse: “Querida, eu gosto tanto de ter uma esposa que eu resolvi agora ter mais uma. E eu gostaria que você a amasse tanto quanto eu amo vocês duas, tá?” Pouquíssimas (ou nenhuma!) receberiam tal notícia com festa…! Pois é mais ou menos isso que fazemos com nosso filhinho! Compreender que o ciúme é natural e expressar essa compreensão para ele é chave para enfrentar essa situação com uma certa serenidade!

Dicas

Para ajudar nesse processo, preparamos umas dicas que são fáceis de colocar em prática, além de muito eficientes!

#1 Quando o primogênito for conhecer o irmão mais novo, é legal que o bebê não esteja no colo da mãe, para que a mãe possa receber o mais velho com um bom abraço e para a imagem da mãe com um bebê no colo não ser um choque! Normalmente isso acontece ainda na maternidade (a não ser que você tenha tido um parto domiciliar). Nesse caso combine com quem for levar o seu filho mais velho para avisar você quando estiverem no estacionamento. Assim você tem tempo de colocar o bebê no bercinho e se preparar para uma calorosa recepção!

#2 É legal também o bebê trazer um presente para o irmão, que pode ser deixado junto do bebê no bercinho, por exemplo.

#3 Normalize as emoções do seu filho mais velho. Não diga que ele não deveria ou não precisa ter ciúmes. A ideia é modular o comportamento, mas as emoções são legítimas e precisam ser sentidas. Assim, fale que você entende que não é fácil pra ele, que você compreende que antes ele tinha a mamãe só pra ele e que ter que dividir pode ser meio chato, mas que vocês vão lidar com isso juntos e que a mamãe ama ele como sempre, que isso não mudou.

#4 Envolver o big brother na rotina do recém-nascido também ajuda: você pode separar duas roupinhas e pedir pro mais velho escolher qual vestir no bebê, por exemplo. Ou chamá-lo a participar do banho, entregando pra você o xampu, sabonete…

#5 Outra opção é organizar uma “festinha do irmão mais velho”. Reúna os avós ou umas poucas pessoas íntimas, peça pra alguém comprar um bolinho e encher uns balões, e celebrem o fato de que ele agora é o irmão maior! Cada convidado pode trazer uma lembrancinha e o melhor presente pode vir do bebê. É um pequeno ritual que ajuda bastante na transição de filho único para irmão.

#6 Além disso, por mais que seja desafiador, a gente tem que dar um jeito de ter algum tempo, nem que seja um tempo curto (que é provavelmente o que vai acontecer), sozinha com o mais velho. Isso faz muita diferença.

#7 Por último, não se sinta culpada! O “sofrimento” do primogênito não só é normal como também é importante para o seu próprio desenvolvimento psíquico. Ele pode se sentir frustrado às vezes por não ter o que quer, ou brabo, e é um aprendizado para a vida, sendo que neste momento tudo se passa num ambiente de acolhimento e amor. Faz parte!

Leia também: O puerpério do irmão mais velho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *