Por Jaqueline Zanatta – doula de parto da Abraço de Mãe

Hoje queremos tratar de gestação, atentando para a energia da palavra, trocando a palavra gravidez, pois mesmo ela sendo sinônimo da anterior, gravidez vem do Latim, gravis, “pesado”, e ninguém quer estar pesado, ainda mais para essa fase da vida! Queremos leveza, tranquilidade e bem-estar, não é?! E sim, creio na energia das palavras. Já a palavra gestação provém do verbo latino gerere, que significa “portar sobre si”; neste caso de portar uma criança, implica também administrar, mesmo ignorando o aspecto fisiológico, o crescimento intrauterino dela e é isso que gostamos e apreciamos, portar, ter esse bebê conosco.

A gestação é um dos momentos da vida que experenciamos com mais emoção, mais entrega. Amo a citação de Maria Tereza Maldonado que diz: “Ter um filho é profundamente transformador para mulheres e homens que, no decorrer da gravidez, gestam novos aspectos de si mesmos”. E concordo plenamente com ela, pois muitas vezes mudamos a nós mesmos para que nosso filho viva num mundo melhor. O vínculo de amor com esse novo ser que está por vir começa no desejo de tê-lo e vai se nutrindo no decorrer do convívio, o qual é muito importante para o desenvolvimento emocional da criança e sua construção como pessoa.

Ao gerar o bebê, seu corpo vai produzir hormônios para que ele se modifique e existem alguns acontecimentos comuns neste período, como:

Enjoo e vômitos

Ocorrem geralmente nos primeiros três meses. O que pode ajudar a evitá-los são atos bem simples, como comer algo sólido antes de sair da cama, evitar escovar os dentes em jejum, não deixar o estômago muito cheio ou muito vazio, fazer refeições leves, evitar frituras e beber líquido durante a refeição, chupar gelo também ajuda a aliviar o enjoo.

Salivação excessiva

É indicado fazer refeições da mesma maneira que para enjoos, engula a saliva normalmente, tome bastante líquido e pingue na boca algumas gotas de limão.

Tonturas

Tente não mudar de posição bruscamente, sente-se com a cabeça abaixada ou deite do lado esquerdo.

Hipersensibilidade nos seios

Dor persistente e inchaço são sintomas mais comuns, que podem até mesmo ser confundidos com período pré-menstrual. São causados pelo aumento dos níveis dos hormônios esteróides (estrogênio e progesterona), que já preparam as mamas para amamentação.

Sono

É uma reação natural do corpo à adaptação hormonal e pode ser resolvido com sonecas durante o dia, quando possível.

Aumento da frequência urinária

Também ocorre devido à alteração hormonal e o organismo precisa de mais líquido. Sempre que sentir vontade de urinar deve-se fazê-lo, para evitar que ocorra infecção urinária.

Olfato mais sensível

Isso pode causar aversão a alguns alimentos.

Alterações de humor

A mulher passa por uma fase de maior sensibilidade, podem vir crises emotivas. A ansiedade da instabilidade emocional também tem relação hormonal e com a mudança na vida. É necessário paciência, carinho, apoio e atenção do companheiro e da família neste momento, pois logo passará.

Cãimbras

São contrações involuntárias, podendo ser evitadas massageando as pernas antes de dormir e ingerir alimentos ricos em cálcio.

Varizes

Como o volume sanguíneo aumenta, sua drenagem também fica comprometida, por isso é bem importante não ficar muito tempo em pé ou sentada, é preciso movimentar-se e colocar as pernas para cima.

Estrias

É outro fator bem comum na gestação, o melhor a fazer é manter-se sempre hidratada com líquidos e com hidratantes, massagem nos locais prováveis de aparecerem também é um recurso utilizado.

Prisão de ventre

Constipação é uma das reclamações precedentes e para evitá-la é imprescindível comer cereais integrais, verduras, mamão e ameixa e tomar bastante água.

Todos esses sintomas são passageiros e se a gestante começar a prevenir seguindo as dicas aqui colocadas eles poderão ser evitados ou amenizados.

Gestar é envolver-se com o ser sem que ele esteja aqui ainda, é construir, é esperar, por isso deve ser um momento de tranquilidade, que pode ser criado e mantido. Nesse caminho existirão muitas dúvidas e incertezas, que podem ser desfeitas se você estiver bem acompanhada por uma equipe de confiança, por isso busque aquela equipe com que você se sinta apoiada e encorajada.

Referência bibliográfica: Pamplona, Vitória. Da gravidez à amamentação: o dia a dia de um importante período de nossas vidas. São Paulo: Integrante Editora, 2010.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *