É parte da cultura brasileira visitar um bebê que acabou de nascer, a ponto de as pessoas se sentirem “obrigadas” a ir conhecer o recém-nascido da prima/amiga/vizinha nos primeiros dias ou semanas. Mas até que ponto é bom receber visitas no pós-parto?

A questão das visitas é bastante pessoal. Tem mãe recente que nas primeiras semanas não quer ver ninguém além de seu companheiro e de sua própria mãe. Tem gente que até gosta de receber visita, mas mesmo nesses casos somente das pessoas mais íntimas. Ainda assim é comum que pessoas não tão íntimas queiram aparecer na sua casa. Como lidar com isso?

Fale sobre as visitas já na gravidez

Pra começar, tendo em conta que você não sabe como vai estar se sentindo no pós-parto, o ideal é já durante a gravidez, sempre que o assunto “visitas” vier à tona, você dizer que não sabe ainda se vai preferir receber visitas na maternidade ou em casa, nem a partir de quando. Peça para as pessoas sempre entrarem em contato antes de virem visitar e esclareça que você lhes dirá se é um bom dia para recebê-las ou não. Também já deixe evidente que o ideal é que as visitas sejam feitas pela manhã ou à tarde, pois o mais comum é que à noite, quando a mãe e o bebê já estão bem cansados, a puérpera prefira não receber visitas.

Nós da Abraço de Mãe costumamos dizer que o ideal nos primeiros dias ou semanas é só receber pessoas na frente das quais você fique à vontade para estar de pijama!

Prepare-se antes

Para que receber visitas gere o mínimo de estresse, compre ainda na gravidez bolachinhas (que podem ser congeladas) para servir. No Brasil, já há uma expectativa de tomar um chá/café na casa do bebê, então é legal se preparar pra isso. Na Nova Zelândia, onde moro hoje, já é bem diferente. As visitas trazem o lanche ou então alguma refeição que pode ser congelada para ajudar a família nesse momento delicado. Mas infelizmente ainda não criamos esse hábito no Brasil…

Peça para alguém (geralmente o parceiro ou a mãe da mãe) ficar responsável por falar com quem queira vir visitar. Assim, em meio ao turbilhão emocional, você não precisará ficar se justificando. Alguém fará isso por você.

Seja sincera

Seja sincera, não receba ninguém por obrigação! O momento é de recolhimento, de cansaço, de aprendizado, e as pessoas precisam ter essa consciência. A maneira de gerar essa consciência na nossa sociedade é sendo sincera sobre seus sentimentos e vontades.

Aproveite as redes sociais pra avisar a todos sobre seu desejo ou não de receber visitas. Já vi muitas mães escrevendo que os desafios são muitos e que precisavam de mais tempo para conhecer seu bebê antes de receber os amigos. Falar assim, no geral, é mais fácil e não constrange ninguém!

Outra ideia é pedir para algum familiar ou alguma amiga organizar um encontro com a família/turma no qual você irá e todos poderão conhecer seu bebê. Isso evita que você tenha que receber, além de que você terá a liberdade de decidir quando quer voltar para a sua casa! É uma forma de “matar dois coelhos com uma cajadada só”!

Cansou de “fazer sala”?

E se enquanto você estiver recebendo alguém lhe der vontade de se retirar, seja para amamentar, seja porque é a hora em que você gosta de dar banho no seu bebê, seja porque você quer descansar (ou o bebê), seja apenas porque você está preferindo ficar sozinha, sem conversar com ninguém, enfim seja por que motivo for, simplesmente peça licença, diga que você vai se retirar “porque (eu preciso descansar, vou começar a rotina da noite do bebê…) …………..”, agradeça muito a visita e se retire sem constrangimento. As pessoas têm que entender que no pós-parto a mãe está mais sensível e deve dar a si mesma absoluta prioridade.

Aos poucos, conseguiremos mudar nossa cultura de visitas a puérperas e alcançaremos o entendimento geral de que o puerpério de cada uma merece respeito, privacidade e compreensão!

Para você que vai visitar uma puérpera, nos posts abaixo temos dicas preciosas:

Dicas para presentear a mãe recente

O que se deve dizer a uma puérpera

O que NÃO se deve dizer a uma puérpera

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *